Você bebe agrotóxicos? Descubra se a água da sua torneira foi contaminada, de acordo com dados do Sisagua

Metodologia

O mapa é fruto de uma investigação em conjunto realizada pela Repórter Brasil, Public Eye e Agência Pública. Os dados utilizados são do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), do Ministério da Saúde.

Além do número de agrotóxicos na água por cidade, os dados permitem também enxergar a concentração dessas substâncias, que é medida em microgramas por litro.

Assim, a reportagem elaborou os dois mapas acima:

O primeiro (“Número de Agrotóxicos”) mostra a quantidade de substâncias detectadas em cada cidade de 2014 a 2017.

O segundo (“Concentração na Água”) compara as concentrações detectadas no mesmo período com os parâmetros de segurança estabelecidos pela regulação do Brasil e da União Europeia.

O mapa e a reportagem analisam informações de 2014 a 2017. Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação em abril de 2018. O banco é atualizado de modo constante e novas informações acrescentadas depois de abril de 2018 não estão no mapa. Depois que os dados foram enviados à reportagem, o Sisagua passou a divulgar as informações no portal Dados Abertos do governo federal, onde elas podem ser acessadas na sua versão mais atualizada.

A base de dados completa, recebida pela reportagem em abril de 2018, pode ser baixada neste link: base de dados enviada pelo Ministério da Saúde (cópia).

Como os dados estão classificados com termos técnicos de difícil entendimento, a reportagem consultou os manuais sobre a metodologia e entrou em contato com o Ministério da Saúde. Em janeiro de 2019, a pasta enviou os seguintes esclarecimentos, com as orientações sobre como ler os dados:

– “Valor Numérico, quando é possível quantificar a concentração da substância analisada”;

– “Menor que o Limite de Quantificação (< LQ), quando é possível identificar a presença, mas não a concentração existente”

– “Menor que o Limite de Detecção (< LD), quando a substância está ausente ou em concentração inferior àquela que o equipamento consegue detectar.”

Além desses indicadores, a base de dados também traz o código “VMP”, que significa Valor Máximo Permitido. O VMP indica qual é a concentração máxima na água que é considerada segura no Brasil.

O Sisagua reúne os resultados de testes que medem a presença de 27 agrotóxicos na água que abastece as cidades. As informações são enviadas por autarquias estaduais, municipais e empresas de abastecimento. A lei brasileira determina que os fornecedores de água no Brasil são responsáveis por realizar os testes a cada seis meses e apresentar os resultados ao Governo Federal.

Leia a reportagem sobre a contaminação da água nas cidades: “Coquetel” com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios

 

Outras histórias

21.09.2020
Empresas escondem intoxicações de trabalhadores rurais por agrotóxico

Levantamento inédito revela que empresas não notificam casos de 2 em cada 3 trabalhadores com carteira assinada intoxicados por pesticida

15.09.2020
Apesar de lobby pelo agrotóxico, Anvisa mantém proibição do paraquate

Após intensa campanha de fabricantes de agrotóxicos e de produtores rurais, votação acirrada dentro da agência confirma o banimento do agrotóxico letal. Retirada do produto do mercado deve ocorrer no dia 22 de setembro.

10.09.2020
Brasil é 2º maior comprador de agrotóxicos proibidos na Europa, que importa alimentos produzidos com estes químicos

Europa exporta agrotóxicos que proíbe para uso interno e importa alimentos cultivados com estes químicos em outras regiões. A prática transfere para países como o Brasil os riscos que estes produtos oferecem à saúde dos trabalhadores e ao ambiente.

04.09.2020
EXCLUSIVO: Agrotóxicos paraquate e glifosato mataram 214 brasileiros na última década

Levantamento inédito revela que produtos são usados em tentativas de suicídio: mais de 14 mil pessoas usaram pesticidas para esse fim, segundo dados do Ministério da Saúde

17.08.2020
Anvisa atropela as próprias regras e pode voltar a autorizar agrotóxico letal

Agência colocou em pauta a revisão do paraquate, agrotóxico proibido na União Europeia e com data para ser banido no Brasil. Pesquisa usada como argumento pela indústria foi suspensa pela Unicamp

30.07.2020
Unicamp suspende pesquisa que poderia liberar agrotóxico letal

Após denúncia da Repórter Brasil e Agência Pública, Comitê de Ética da universidade suspendeu pesquisa financiada por produtores de soja que visava reverter a proibição do Paraquate.

23.07.2020
Como o agronegócio atua para garantir a pulverização de agrotóxicos pelo ar

Contamos a história de uma lei vitoriosa e duas derrotadas pelo lobby das entidades agropecuárias e aeroagrícolas. Disputa chega agora ao STF

15.07.2020
Lobby usa pesquisa não concluída para pressionar Anvisa sobre agrotóxico proibido

Produtores de soja e de agrotóxicos financiam pesquisas sobre o paraquate e tentam reverter a proibição antes mesmo de apresentar os resultados. MPF teve que interferir de encontros da indústria na agência reguladora

Últimas reportagens

21 de setembro de 2020
Empresas escondem intoxicações de trabalhadores rurais por agrotóxico
15 de setembro de 2020
Apesar de lobby pelo agrotóxico, Anvisa mantém proibição do paraquate
10 de setembro de 2020
Brasil é 2º maior comprador de agrotóxicos proibidos na Europa, que importa alimentos produzidos com estes químicos
4 de setembro de 2020
EXCLUSIVO: Agrotóxicos paraquate e glifosato mataram 214 brasileiros na última década